7 tipos de ataques cibernéticos mais comuns nas empresas

7 tipos de ataques cibernéticos mais comuns nas empresas seguranca-da-informacao  Tripla Segurança da Informação Consultoria em SI Cibersegurança Cibercriminosos Ataques nas empresas ataques cibernéticos

Você conhece os principais tipos de ataques cibernéticos? Todos os anos, a lista de empresas afetadas pela ação de hackers ganha milhares de vítimas, gerando prejuízos que ultrapassam as perdas financeiras.

A verdade é que mitigar essas ameaças é um grande desafio da Era Digital — talvez um dos maiores — e não há como evoluir sem conhecer o inimigo!

A Tripla é uma consultoria especializada em Segurança da Informação e, hoje, trouxemos uma lista com os tipos de ataques mais comuns em empresas. Continue conosco e descubra como eles funcionam e as melhores práticas para proteger seus dados e ambiente de TI!

Antes de tudo, o que é um ataque cibernético?

O ataque cibernético é uma ação coordenada que visa obter acesso não autorizado a dados ou sistemas de TI. O objetivo final pode ser o roubo de informações, a extorsão e até a paralização das atividades do negócio.

Os inúmeros tipos de ataques cibernéticos podem atingir vários perfis de vítimas: usuários comuns, governos e empresas. Nesse último caso, os hackers vão atrás de ativos confidenciais e valiosos, como dados de clientes, informações financeiras e propriedade intelectual.

Perigo oculto: o papel do erro humano em ataques hackers

Todo mundo erra, mas algumas falhas podem expor a empresa a grandes riscos. Isso porque, quando o assunto é segurança cibernética, não há como ignorar as consequências da falta de conhecimento e experiência dos usuários.

Segundo a IBM, 95% das violações de segurança digital são provocadas pelo erro humano. Em um cenário ideal, 9 a cada 10 incidentes poderiam ser evitados ao eliminarmos essas falhas.

Mas de que tipo de erro estamos falando? O perigo muitas vezes é oculto, pois poucos gestores pensam sobre o nível de maturidade do seu time.

Assim, estamos lidando com ações não intencionais ou omissões. Sem perceber ou desejar, funcionários podem provocar, espalhar ou autorizar a entrada de cibercriminosos no ambiente digital da empresa.

Em geral, isso ocorre de várias maneiras, como:

  • Download de um anexo infectado por malware;
  • Uso de senhas fracas;
  • Envio de dados sigilosos por engano a um usuário errado;
  • Falta de atualização de softwares;
  • Compartilhamento de dados de acesso.

Os 7 tipos de ataques cibernéticos mais comuns nas empresas

Como vimos, muitos incidentes de segurança têm origem interna. Porém, os criminosos virtuais estão cada vez mais eficientes em suas ações.

Então, não basta culpar sua equipe, é importante conhecer os principais tipos de ataques cibernéticos e entender como os hackers agem. Esse é o primeiro passo para alinhar processos e elaborar uma boa política de Segurança da Informação.

Se você começar a pesquisar, verá que existe uma enorme lista de ameaças virtuais — e ela não para de crescer. Para te ajudar, destacamos as que mais atingem as empresas e que merecem sua atenção. Confira!

  1. Malware
  2. Phishing
  3. Ataque DoS e DDoS
  4. Spoofing
  5. Ataques baseados em identidade
  6. Ataques de injeção de código
  7. Ameaças internas

1.     Malware

O malware é um software malicioso criado para danificar um computador, rede ou servidor. Sem dúvidas, ele está no topo da lista dos tipos de ataques cibernéticos mais comuns da atualidade e pode ser dividido em vários subgrupos.

Confira na tabela abaixo um breve resumo sobre os principais ataques:

Tipo de Malware Como funciona?
Ransomware Esse tipo de ataque costuma iniciar com o envio de links suspeitos em e-mails de phishing ou em vulnerabilidades não corrigidas. Assim, o hacker “sequestra” os dados, aplica uma criptografia avançada e pede um resgate para liberar o acesso.
Trojans O trojan é um tipo de malware que se parece com um software confiável e inofensivo. Ao ser instalado na máquina, pode dar acesso a dados e gerar vários danos.
Spyware Esse tipo de software malicioso infecta o dispositivo e passa a coletar dados sobre o usuário sem que ele perceba.
Worms O worm chega ao computador por meio de phishing e técnicas de engenharia social. Após infectar o dispositivo, pode modificar e excluir dados, além de injetar outros softwares e se replicar até sobrecarregar o sistema.
Keyloggers Nesse tipo de ataque, o invasor consegue ver o que o usuário digita, extraindo senhas e dados sigilosos de forma maliciosa.

 

2.     Phishing

O phishing é um tipo de ameaça cibernética que engana o usuário, induzindo-o a compartilhar dados sigilosos ou a baixar um programa malicioso. Ou seja, se baseia na confiança e na falta de maturidade em cibersegurança da vítima.

Para isso, os criminosos usam o e-mail, SMS, redes sociais e várias técnicas de engenharia social. Confira os principais tipos de phishing da atualidade:

Tipo de phishing Como funciona?
Spear Phishing É direcionado a pessoas e empresas específicas e seu objetivo é o roubo de dados críticos, como credenciais de acesso, dados bancários e informações de mercado.
Whaling No whaling, ou “caça às baleias”, o hacker tem um alvo bem definido: executivos sêniores e cargos de alto escalão. Assim, conseguem roubar dados estratégicos, dinheiro e até acessar sistemas para executar outro ataque.
Smishing No smishing, o hacker envia mensagens fraudulentas para que o usuário forneça seus dados pessoais: senhas, endereço, nome de usuário e número de cartão de crédito. Na estratégia mais comum, eles fingem ser seu banco.

3.     Ataque DoS e DDoS

O Ataque de Negação de Serviço (Denial-of-Service) é um dos tipos de ataques cibernéticos mais difíceis de se conter. Isso porque, ele envia várias solicitações falsas para sobrecarregar a rede e forçar a parada da operação empresarial.

Negócios que enfrentam esse problema têm dificuldades para executar ações simples, como abrir um e-mail. Essa lentidão tem um objetivo claro: solicitar o pagamento de uma quantia para normalização das atividades.

Vale destacar que também existe o Ataque de Negação de Serviço Distribuído (DDoS). Nesse caso, o ataque parte de vários sistemas ao mesmo tempo, tornando-o mais rápido e difícil de se bloquear.

 

4.     Spoofing

O Spoofing é mais uma ameaça recorrente nas empresas. O ataque consiste em fraude, já que o hacker se disfarça, fingindo ser uma fonte confiável e conhecida do usuário.

Em geral, ele abusa dessa confiança para acessar sistemas ou dispositivos com o foco de roubar informações, extorquir dinheiro e até instalar um malware. Veja como sua empresa pode ser atingida:

Tipo de Spoofing Como funciona?
Spoofing de e-mail O criminoso usa um endereço de e-mail falso, muito semelhante ao do remetente confiável. Assim, o usuário abre a mensagem, fornece dados, clica em links e abre anexos maliciosos.
Spoofing de domínio Nesse caso, a falsificação se direciona ao domínio de um site. À primeira vista, o endereço parece correto, mas existem diferenças que podem ser identificadas com uma análise mais atenta.
Spoofing de IP  O hacker troca o IP fazendo com que o sistema ou dispositivo direcione a comunicação para ele. Assim, tem acesso à informações confidenciais.

 

5.     Ataques baseados em identidade

Talvez você não saiba, mas estudos afirmam que 80% das violações de dados são provenientes de senhas comprometidas. E o pior: esse tipo de ataque pode levar até 250 dias para ser identificado.

De posse das credenciais de acesso de um funcionário, o cibercriminoso entra no sistema e executa várias ações. Afinal, não é fácil identificar um comportamento suspeito. Veja como isso acontece na prática!

Tipo de ataque Como funciona?
Man-in-the-Middle (MITM) O hacker consegue interceptar a conversa entre dois alvos, coletar dados pessoais e até induzi-los a executar alguma ação, como uma transação bancária.
Pass the Hash O cibercriminoso captura um hash de senha e cria uma nova sessão de usuário. Nesse caso, ele sequer sabe qual é a senha, pois usa uma versão armazenada para acessar o ambiente.
Preenchimento de credenciais Esse tipo de ataque ocorre com frequência, pois muitos usuários repetem suas senhas em diferentes plataformas. O hacker pode obter a credencial por diversos meios e usá-las para fins fraudulentos.

6.     Ataques de injeção de código

Um ataque de injeção de código ocorre quando o cibercriminoso consegue inserir um código malicioso em um dispositivo ou sistema e, a partir disso, pode realizar diversas ações.

Vale a pena destacar que esse é um dos tipos de ataques cibernéticos que exploram vulnerabilidades na entrada e saída de dados em aplicações web e pode ocorrer de diversas maneiras. Confira:

Tipo de injeção de código

Como funciona?

Injeção SQL Na injeção de SQL, o hacker aproveita vulnerabilidades do sistema para injetar instruções SQL maliciosas que dão acesso ao banco de dados da empresa. Assim, podem alterar, roubar e até deletar informações.
Ataque XSS O criminoso insere um código em uma página web, que é executado no navegador dos visitantes. A partir daí, ele pode roubar informações e instalar um malware, por exemplo.

 

7.     Ameaças internas

E quando o perigo está dentro da própria empresa? Nos ataques anteriores, vimos que a ação costuma partir de cibercriminosos, mas é preciso ficar atento aos atores internos, como funcionários atuais e antigos.

Esses indivíduos abusam no cargo e da confiança, pois têm acesso à rede da empresa, além de dados sigilosos, políticas e processos que podem facilitar um ataque cibernético.

Lembrando que também podemos inserir nesse grupo, pessoas que não têm objetivos fraudulentos, mas que são negligentes e expõe o negócio a riscos.

O que sua empresa pode fazer para mitigar essas ameaças?

O risco cibernético é real e cada vez maior. Aliás, o relatório Global Cybersecurity Outlook 2023 trouxe dados que reforçam esse cenário.

Para mais de 93% dos especialistas em Segurança Cibernética e 86% dos líderes empresariais, enfrentaremos um problema de segurança digital capaz de gerar graves danos a empresas de todo o mundo.

E por que isso acontecerá?

  • Evolução da tecnologia e das técnicas de ataques;
  • Baixa maturidade em cibersegurança;
  • Falta de ferramentas e pessoas qualificadas dentro das organizações.

Como especialistas em Segurança da Informação, atuamos em projetos complexos em organizações de todos os portes e segmentos. Com base nessa experiência, podemos dizer que uma consultoria em cibersegurança é uma das ações mais efetivas.

Por que uma consultoria em Segurança da Informação?

Você já pensou em fazer uma consultoria em Segurança da Informação? Esse tipo de serviço é uma alternativa altamente personalizada, capaz de mudar sua visão sobre segurança cibernética.

Em resumo, especialistas vão fazer uma varredura em todos os seus processos para identificar as suas maiores vulnerabilidades e ajudá-lo a traçar um plano de ação. Sem dúvidas, isso gera benefícios importantes, como:

  • Visão aprofundada dos desafios;
  • Definição de estratégias coerentes e assertivas;
  • Alocação de recursos em ferramentas e ações mais relevantes;
  • Redução de riscos em todas as frentes.

Enfrentar os diversos tipos de ataques virtuais é uma tarefa complexa. A única forma de mitigar essas ameaças é fortalecendo as suas defesas, de forma estratégica e ágil.

Quer conversar um pouco sobre as possibilidades de uma consultoria em Segurança da Informação? Clique aqui e fale com nossa equipe!