Importância do gerenciamento de patch no tratamento de vulnerabilidades

O gerenciamento de patches é o processo de distribuição e aplicação de atualizações de software. Esses patches são geralmente necessários para corrigir erros (também chamados de vulnerabilidades ou bugs) no software.

As áreas comuns que precisarão de patches incluem sistemas operacionais, aplicativos e sistemas incorporados (como equipamentos de rede). Quando uma vulnerabilidade é encontrada após o lançamento de um software, um patch pode ser usado para corrigi-la. Isso ajuda a garantir que os ativos em seu ambiente não sejam suscetíveis à exploração.

Importância do gerenciamento de patch no tratamento de vulnerabilidades infraestrutura-de-ti

Por que precisamos do gerenciamento de patches?

O gerenciamento de patches é importante pelos seguintes motivos principais:

  • Segurança: o gerenciamento de patches corrige vulnerabilidades em seu software e aplicativos que são suscetíveis a ataques cibernéticos, ajudando sua organização a reduzir o risco de segurança.
  • Tempo de atividade do sistema: O gerenciamento de patches garante que seu software e aplicativos sejam mantidos atualizados e executados sem problemas, oferecendo suporte ao tempo de atividade do sistema.
  • Conformidade: com o aumento contínuo dos ataques cibernéticos, as organizações muitas vezes são obrigadas pelos órgãos reguladores a manter um certo nível de conformidade. O gerenciamento de patches é uma parte necessária para aderir aos padrões de conformidade.
  • Melhorias de recursos: o gerenciamento de patches pode ir além das correções de bugs de software para incluir também atualizações de recursos / funcionalidades. Os patches podem ser essenciais para garantir que você tenha o melhor e mais recente que um produto tem a oferecer.

Benefícios de um programa de gerenciamento de patch eficiente

Sua empresa pode se beneficiar do gerenciamento de patches de várias maneiras:

  • Um ambiente mais seguro: quando você corrige vulnerabilidades regularmente, está ajudando a gerenciar e reduzir o risco que existe em seu ambiente. Isso ajuda a proteger sua organização contra possíveis violações de segurança.
  • Clientes satisfeitos: se sua organização vende um produto ou serviço que exige que os clientes usem sua tecnologia, você sabe como é importante que a tecnologia realmente funcione. O gerenciamento de patches é o processo de consertar bugs de software, o que ajuda a manter seus sistemas funcionando.
  • Sem multas desnecessárias: se a sua organização não estiver aplicando patches e, portanto, não atendendo aos padrões de conformidade, você pode ser atingido por algumas multas monetárias de órgãos reguladores. O gerenciamento de patches bem-sucedido garante que você esteja em conformidade.
  • Inovação contínua do produto: você pode implementar patches para atualizar sua tecnologia com recursos e funcionalidade aprimorados. Isso pode fornecer à sua organização uma maneira de implantar suas inovações mais recentes em seu software em escala.

O processo de gerenciamento de patch

Seria uma estratégia ruim apenas instalar novos patches no segundo em que eles se tornassem disponíveis para todos os ativos no inventário da sua organização, sem considerar o impacto. Em vez disso, uma abordagem mais estratégica deve ser adotada. O gerenciamento de patches deve ser implementado com um processo organizacional detalhado que seja econômico e focado na segurança.

As principais etapas do processo de gerenciamento de patches incluem:

  • Desenvolva um inventário atualizado de todos os seus sistemas de produção: seja trimestral ou mensalmente, esta é a única maneira de monitorar verdadeiramente quais ativos existem em seu ecossistema. Por meio do gerenciamento diligente de ativos, você terá uma visão informada dos sistemas operacionais, tipos de versão e endereços IP existentes, junto com suas localizações geográficas e “proprietários” organizacionais. Como regra geral, quanto mais frequentemente você mantém seu estoque de ativos, mais informado você estará.
  • Elabore um plano para padronizar sistemas e sistemas operacionais para o mesmo tipo de versão: Embora seja difícil de executar, padronizar o inventário de ativos torna a correção mais rápida e eficiente. Você vai querer padronizar seus ativos para um número gerenciável para que possa acelerar seu processo de remediação conforme novos patches são lançados. Isso ajudará você e as equipes técnicas a economizarem o tempo gasto na correção.
  • Faça uma lista de todos os controles de segurança que estão em vigor em sua organização: Monitore seus firewalls, antivírus e ferramenta de gerenciamento de vulnerabilidades. Você vai querer saber onde eles estão, o que estão protegendo e quais ativos estão associados a eles.
  • Compare as vulnerabilidades relatadas com seu inventário: Usar sua ferramenta de gerenciamento de vulnerabilidades para avaliar quais vulnerabilidades existem para quais ativos em seu ecossistema irá ajudá-lo a entender seu risco de segurança como uma organização.
  • Classifique o risco: Por meio de processos e ferramentas de gerenciamento de vulnerabilidade, você pode gerenciar facilmente quais ativos considera essenciais para sua organização e, portanto, priorizar o que precisa ser corrigido de acordo.
  • TESTE! Aplique os patches a uma amostra representativa de ativos em seu ambiente de laboratório. Teste de estresse das máquinas para garantir que os patches não causarão problemas em seu ambiente de produção.
  • Aplique os patches: depois de priorizar o que precisa ser corrigido primeiro, comece a aplicar patches para realmente reduzir o risco em seu ambiente. Ferramentas de gerenciamento de vulnerabilidade mais avançadas também oferecem a capacidade de automatizar as partes demoradas do processo de correção. Considere distribuir os patches para lotes de ativos; embora você já tenha testado em seu ambiente de laboratório (você fez isso direito !?), ainda pode haver resultados inesperados na produção. Mergulhe alguns dedos do pé antes de pular para evitar que haja problemas generalizados.
  • Acompanhe o seu progresso: reavalie seus ativos para garantir que a correção foi bem-sucedida. 

Incorporando gerenciamento de patch no processo de gerenciamento de vulnerabilidade

O gerenciamento de patch é uma parte vital de todo programa de gerenciamento de vulnerabilidades.  No entanto, ter uma abordagem consistente para o gerenciamento de patches nem sempre significa corrigir tudo o que está à vista.

Quando uma vulnerabilidade é identificada, você tem basicamente três opções:

  1. Instalar um patch para a vulnerabilidade, se disponível, para corrigir o problema.
  2. Implementar controles de compensação para que a vulnerabilidade seja atenuada sem ser totalmente corrigida. Essa rota é comum quando uma correção ou patch adequado ainda não está disponível e pode ser usada para ganhar tempo antes de uma eventual correção.
  3. Aceitar o risco representado por essa vulnerabilidade e não fazer nada.

Cabe às organizações decidir qual opção é melhor para elas em situações específicas, embora remendar seja o tratamento ideal pelo qual se empenhar.

Os termos “gerenciamento de patch” e “gerenciamento de vulnerabilidade” às vezes são usados ​​alternadamente, mas é importante entender a diferença. Embora ambas as estratégias tenham como objetivo reduzir o risco, o gerenciamento de patches (o processo de gerenciamento de atualizações de software) tem escopo limitado. Para obter uma compreensão mais profunda de seu ambiente e tomar decisões informadas e impactantes, você precisa mudar para uma abordagem mais holística por meio do gerenciamento de vulnerabilidade. O gerenciamento de vulnerabilidades é um processo contínuo de identificação, priorização, correção e geração de relatórios sobre vulnerabilidades de segurança em sistemas e no software executado neles.

O gerenciamento de patches é um componente crítico do gerenciamento de vulnerabilidades, mas é apenas uma peça do quebra-cabeça. Para incorporar com sucesso o gerenciamento de patches em seu programa de gerenciamento de vulnerabilidade, as seguintes etapas devem ser implementadas:

  • Estabeleça o gerenciamento de ativos. Sua capacidade de reduzir riscos é tão boa quanto a visibilidade que você tem em seu ambiente. Uma solução de gerenciamento de ativos ajuda a obter um entendimento completo dos ativos que você possui e das vulnerabilidades associadas a cada ativo. Com esse conhecimento, você está equipado para priorizar vulnerabilidades, corrigir problemas e se comunicar de forma eficaz com as partes interessadas.
  • Priorize vulnerabilidades. Com tempo e recursos limitados e um cenário de ameaças em constante mudança, não é realista pensar que você pode consertar todas as vulnerabilidades assim que elas aparecerem. Consequentemente, a priorização é um dos aspectos mais críticos do gerenciamento de vulnerabilidade.
  • Corrija as vulnerabilidades para reduzir o risco. Identificar e priorizar vulnerabilidades é importante, mas você não está realmente reduzindo o risco, a menos que esteja corrigindo os problemas.

Conclusão

Meça o sucesso do seu programa de gerenciamento de vulnerabilidade. Não importa quantos recursos sofisticados uma solução de gerenciamento de vulnerabilidade tenha, só vale a pena o investimento se atender às necessidades exclusivas da sua organização e agregar valor para você e sua equipe. Para determinar se você está alcançando um bom ROI – e justificar a compra para a liderança sênior – você terá que determinar como medir o sucesso.

Desenvolver parcerias e suporte. Quando algo dá errado, você quer saber se tem uma equipe em quem pode confiar para ajudar na solução de problemas. Conte com a gente😊